#RAPIDINHAS: Traduzindo as Manchetes dos Jornais

  1. Globo.Com: “DESEMPREGO ATINGE 13,8 MILHÕES NO TRI E É O MAIOR EM CINCO ANOS”

Traduzindo: Um país que faz leis para “proteção do emprego”, mas não se preocupa em criar uma só lei para a criação de empregos, está sem rumo. Esta tem sido a toada desde que, essa classe política assumiu o País. A esquerda, com seu discurso fácil, embala os que não gostam de trabalhar e, seduz aqueles que adoram “a coisa fácil”. O legislativo Brasileiro, com seu mercadinho de leis, que apenas “joga para a torcida”, mas que pouco ou nada produz de efetivo para vida do efetivo pegar no batente.

Num país mais ao norte do Brasil, um Presidente da República dizia que, “Não poderás ajudar os homens de maneira permanente, se fizeres por eles aquilo que eles podem e devem fazer por si próprios. Não fortalecerás os fracos enfraquecendo os fortes. Não ajudarás os assalariados arruinando aqueles que os pagam. ”  

Portanto, um país que luta por “direitos do trabalho”, mas não se preocupa em “criar e proteger” quem investe para oferecer emprego, necessariamente terá que ser um país com a maioria de desempregados, com uma minoria, possuidora de direitos fantásticos, que apenas aguarda sua hora para engrossar o outro lado da estatística.

  1. Estadão: “ATOS CONTRA REFORMAS AFETAM TRÂNSITO E ACESSO

                     A AEROPORTOS EM SP E RIO”

Traduzindo: Mais uma vez, a Constituição é atropelada. Os famosos direitos iguais não existem nesse Brasil. A minoria que vive e que ganha a vida sem trabalhar, encorpada por estudantes que não vão à escola, impede o cidadão de seguir livremente sua vida. Essa turma, realmente, se convenceu que tem mais direitos que todos os outros brasileiros. Essa turma de baderneiros e fanfarrões, disfarçados de lutadores do povo, são protegidos pelas autoridades que, não “gostam de se queimar” ou, “pelas autoridades que os financiam” e, desta forma, vão atropelando e passando por cima dos direitos dos outros. Tudo acobertado pela imprensa livre, que sempre procura um brecha para apelar para “os direitos humanos”. Cadê o direito constitucional de ir e vir? Na linha de ouvir os Presidentes daquela nação do norte, hoje tão mal representada, um Presidente, lá dos idos de 1860, já pregava: “Não estimularás a fraternidade alimentando o ódio. ” Muito curioso é que esses “manifestantes” não se insurjam contra a corrupção, que ceifa empregos, que fecha postos de trabalho, que coloca funcionários públicos sem salários, exatamente como os empregados dos pequenos e médios empresários que, sem consumo, vão à falência. Contra essa situação não existe um único grito. Qual seria e, de onde viria, o combustível que alimenta toda essa energia dirigida contra as “reformas”, mas que não aparece para combater a corrupção endêmica do sistema? Ou, esses “manifestantes” são outro bom produto de quintal, pronto a servir o povo de um Brasil, que virou um grande latifúndio dos donos desses partidos políticos que estão drenando a nação.

  1. UOL : “TEMER PODE PERDER APOIO DE DEPUTADOS”

    Folha de SP: “GOVERNO ENCURRALDO”

Traduzindo: Mais uma vez, um Presidente de uma certa nação do norte, disse sobre as discussões na câmara: “uma casa dividida sobre si mesma não pode ficar de pé”.

O assunto que dividia a câmara: as discussões sobre a escravatura. No Brasil, qualquer assunto irrelevante divide todo mundo. Não se pensa e nunca se pensou na união. O federalismo brasileiro é uma grande farsa. O Brasil não conseguirá ficar de pé com esse Presidencialismo de OPORTUNIDADE. São 30 anos de democracia com um enorme custo para o povo. Uma nação dividida, que tem, em seu poder moderador, um Judiciário leniente e comprometido, que tem em seu legislativo, um mercado persa de comercialização de leis, em troca de propina e, um executivo que, invariavelmente, se encontra de quatro para os outros dois.

Para terminar, de acordo como um antigo cantor baiano, hoje, um exemplo típico da turma do macarrão, pois só era duro até que entrou na panela, “a tua mais completa tradução”, podemos explicar o Brasil nas palavras de outro grande Presidente, daquela mesma nação do norte: “a preguiça caminha tão vagarosamente, que a pobreza rapidamente a alcança”. Passa a régua.

John Harrison McCartney (#Francisco Gularte é Engenheiro Químico, com MBA em Finanças, Administração, Marketing e estudante de Direito na Universidade Estácio de Sá)     

Compartilhe:

Leave a Reply